Última actualização: 2020-03-14

 

Nota importante:

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações e conselhos, e são suscetíveis de alteração a qualquer momento. Nem o Estado Português, nem as representações diplomáticas e consulares, poderão ser responsabilizados pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes.

 

Avisos

COVID 19

Suspensão de voos a partir de 16-03-2020

(14.03.2020) Atendendo ao agravamento da situação relativa ao COVID-19 e à implementação de medidas mais restritivas pelos Governos da República da Colômbia e da República do Equador, a Embaixada de Portugal em Bogotá aconselha todos os portugueses que se encontrem nestes dois países em viagem de turismo, negócios ou por qualquer outro motivo de curta duração, a anteciparem o seu regresso a Portugal com a maior brevidade possível,uma vez que, com o encerramento de fronteiras e as restrições de entrada impostas a passageiros provenientes do espaço europeu,  a generalidade das companhias aéreas europeias deixarão de voar de/para a Colômbia e de/para o Equador a partir do dia 16 de março

 

Coronavírus - Covid 19  (atualizada a 13-03-2020)

A República do Equador instituiu, por Decreto, a partir das zero horas do dia 13 de março, o cumprimento obrigatório de um Isolamento Preventivo Obrigatório (IPO) – Quarentena – por um período de catorze (14) dias, a todos os viajantes que ingressem no terrritório equatoriano e que provenham da República Popular da China, Espanha, França, Irão, Alemanha, Coreia do Sul e Itália, ainda que por efeito de escala.

O IPO de 14 dias deve ser cumprido em domícilios particulares de estadia permanente, bem como em hoteis e pontos de acolhimento, respeitando-se durante o período de quarentena os protocolos estabelecidos para o efeito pelo Ministério da Sáude Pública Equatoriano.

No momento da sua entrada no Equador, os referidos passageiros tem que informar as autoridades de migração sobre o endereço onde ficarão alojados durante os 14 dias, tendo tal lugar de alojamento de se encontrar situado na mesma cidade do aeroporto, porto ou ponto terrrestre de entrada no país.

Todos os gastos com o alojamento, manutenção, comunicações, transporte e outros relacionados com IPO, devem ser pagos pelo próprio passageiro. O Estado equatoriano não suportará qualquer despesa do passageiro submetido ao IPO.

Para maior informação, aconselha-se a consulta ao mencionado Decreto, que se encontra publicado na página do Facebook da Embaixada de Portugal em Bogotá (https://www.facebook.com/Embaixada-de-Portugal-em-Bogot%C3%A1-Embajada-de-Portugal-en-Bogot%C3%A1-148307452539683/?ref=aymt_homepage_panel&eid=ARA3KnEIGfjoGNcst_BBKHvImRZO8NDkAFFX_i47ixSGYssaN1tKsvZ3Ls1NlTuG1ZfA8ndKVrIfyaXz).

 

Outro  (2019-12-10)

A situação no Equador conheceu melhorias significativas no final do dia 14 de outubro, tendo havido acordo entre Governo e confederação indígena para suspender o decreto que determinara a eliminação dos subsídios aos combustíveis e originara protestos que, durante 11 dias, perturbaram consideravelmente a ordem pública e circulação no país. A situação, por agora, regressou à normalidade, sem dificuldades de segurança acrescidas. Prosseguem negociações para chegar a um novo decreto, pelo que não se pode excluir que – se e quando este venha a ser apresentado – ocorram novas manifestações, pelo que se recomenda que os viajantes exerçam cautela e evitem quaisquer eventuais manifestações.

(outros)

A situação securitária no Equador não é preocupante, embora se registem vários casos de criminalidade comum, tal como nos demais países da região. É um dos países mais visitados por turistas nesta região. O bom senso indica que não é aconselhável viajar desacompanhado em horas noturnas (sobretudo sendo mulher), sendo que quanto mais remota for a localização, maior é o risco potencial para a segurança dos viajantes. Tem-se registado casos de assaltos à mão armada e roubos nas zonas urbanas de Quito e Guayaquil e também vários roubos (também a turistas) nos autocarros entre localidades. Por uma questão de segurança, recomenda-se utilizar apenas táxis oficiais (amarelos), pedidos através de chamada telefónica ou de aplicações para telemóvel como “easytaxi”.

Recomenda-se evitar viagens não imprescindíveis à região fronteiriça com Colômbia, pois trata-se de uma região sob controlo das Forças Armadas, devido à presença de grupos guerrilheiros, traficantes de droga e grupos criminosos.

A situação de segurança na província de Esmeraldas, especialmente a zona fronteiriça com a Colômbia, degradou-se significativamente ao longo deste ano, devido à atividade de grupos armados organizados que têm efetuado atentados contra as Forças Armadas e sequestrado civis (foram sequestrados e posteriormente assassinados três jornalistas e um casal de equatorianos). Em caso de ser absolutamente imprescindível atravessar a fronteira, recomenda-se que o faça apenas pelos locais de passagem oficiais.

É importante conhecer o número de emergência para turistas – 911 (gratuito e disponível 24/7) – pois o Ministério de Mobilidade Humana tem programas especiais e preferenciais para dar assistência a turistas em casos de emergência (saúde, acidente, insegurança, etc). Pode também descarregar a aplicação para o seu telemóvel: http://www.ecu911.gob.ec/aplicacionparacelulares/. Em Quito existe “Polícia Turística”, e qualquer denúncia pode ser efectuada através do seguinte link: http://www.gestiondefiscalias.gob.ec/rtourist

Pela sua localização geográfica tem-se registado alguns desastres naturais (terramotos, erupção vulcões, cheias, etc). Há vários vulcões activos (Cotopaxi, Tungurahua, Reventador) – todos são monitorizados diariamente e, em caso de perigo, são emitidos avisos antecipados (mais informação disponível no website do Instituto Geofísico Nacional do Equador:  http://www.igepn.edu.ec/ e Secretaria de Gestão de Riscos: http://www.gestionderiesgos.gob.ec/) É recomendável realizar a visita a estes vulcões acompanhado de um guia.

O risco de terramotos é real: em abril de 2016 um sismo de magnitude 7.8, na costa norte do país, provocou morte de centenas de pessoas e destruição massiva de infraestruturas. Desde então registaram-se algumas réplicas – a última, de magnitude 5.7, também na mesma região, no passado dia 19 dezembro, causando sobretudo destruição de infraestruturas.

  Existe também a aplicação “Ecuador Seguro”, para telefones de última geração, elaborada pelo Ministério Coordenador de Segurança do Equador, que oferece informação sobre fenómenos naturais que afetam o país e eventuais situações de emergência. Caso possível, e dada a sua utilidade, recomenda-se que faça uso desta aplicação aquando da visita ao Equador.




 

  • Partilhe