Última atualização: 04/08/2021

Nota importante

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. Nem o Estado Português, nem as representações diplomáticas e consulares, poderão ser responsabilizados pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes.

 

AVISOS

Alerta-se para a situação que persiste em algumas ilhas do Mar Egeu, particularmente Lesbos, Chios e Samos, devido ao fluxo migratório existente no Mediterrâneo oriental:

Tem-se constatado a vinda de jovens voluntários portugueses, movidos por um impulso de solidariedade que, conhecendo pouco a realidade local, se vão inserir no terreno enquadrados por uma ONG da qual nem sempre recebem uma orientação suficiente ou uma assistência eficaz para o caso de se encontrarem numa situação concreta de dificuldade ou risco.

Uma vez que os campos onde estes voluntários irão trabalhar se situam nas ilhas ou no norte da Grécia, para além dos contactos telefónicos que se possam fazer, a assistência consular a partir de Atenas sofre consideráveis limitações.


É de toda a conveniência que os voluntários que se pretendem deslocar para estas regiões:

1. Se informem sobre a situação dos refugiados na Grécia e especificamente sobre a ONG com a qual irão trabalhar, e também sobre a orientação e assistência que esta lhes dará no terreno;

2. Estabeleçam um contato prévio com ONGS portuguesas familiarizadas com a situação grega, como por exemplo a Plataforma de Apoio aos Refugiados - PAR;

3. Registarem a sua viagem no Gabinete de Emergência Consular através do registo do viajante em https://portaldascomunidades.mne.gov.pt/pt/vai-viajar/registo-do-viajante, ou nos serviços consulares da Embaixada de Portugal em Atenas sconsular.atenas@mne.pt.

Informação importante

Dada a ocorrência de incidentes em território grego com a entrada e transporte ilegal de migrantes sugere-se a todos os profissionais do transporte de mercadorias, em especial camionistas, que ao se deslocarem para a Grécia se assegurarem que o seu veículo se encontra devidamente fechado durante todo o trajecto, bem como planear a viagem atempadamente, estudando o itinerário previsto.

Sugere-se igualmente que procurem informações adicionais, para sua proteção pessoal, junto das respetivas empresas e associações profissionais.


Medidas restritivas devido à pandemia de COVID-19 na Grécia (atualização a 30 de julho de 2021)

Tendo por base as diversas decisões do Governo Grego relativas à gestão das suas fronteiras no âmbito do atual contexto da pandemia COVID-19 a Embaixada de Portugal apela à leitura das medidas em vigor decretadas pelas autoridades locais e do cumprimento das seguintes recomendações:

O Governo Grego determinou que todos os viajantes que desejem viajar para a Grécia devem preencher o formulário de localização de passageiros  (PLF – Passenger Location Form)  que se encontra disponível no plataforma https://travel.gov.gr.

Todos os viajantes são obrigados a preencher e enviar o seu PLF com, pelo menos, 24 horas de antecedência antes de entrar no país. Deverão fornecer informações detalhadas sobre seu ponto de partida, a duração das estadias anteriores noutros países e o endereço da sua estadia na Grécia.

Todos os passageiros provenientes do nosso País devem estar preparados para testes aleatórios de despistagem à COVID à chegada, mesmo no caso de pessoas portadores de Certificado Digital COVID, pelo que se recomenda vivamente que todos os passageiros façam um autoteste de despistagem do COVID antes do embarque. Recorda-se que, caso seja detetado um caso positivo, será determinado de imediato um período de quarentena, em hotel designado pelas autoridades gregas.


Condições de entrada na Grécia de viajantes (aplicadas também a crianças maiores de doze anos):

- Proibição de entrada na Grécia de cidadãos oriundos de países que não pertencem à UE ou área Schengen, exceto passageiros e residentes permanentes dos seguintes trinta e três países: Andorra,  Arábia Saudita, Arménia, Austrália, Azerbeijão, Bahrein, Bielorrússia, Bósnia-Herzegovina, Canadá, China, Coreia do Sul, EUA, Emirados Árabes Unidos, Israel, Japão, Jordânia, Koweit, Líbano, Macedónia do Norte, Moldávia, Mónaco, Montenegro, Nova Zelândia, Qatar, Reino Unido, San Marino, Rússia, Ruanda, Sérvia, Singapura, Tailândia, Ucrânia e Vaticano.

- Obrigatoriedade de preenchimento por todos os passageiros que queiram viajar à Grécia do Passenger Location Form (PLF) através da página eletrónica https://travel.gov.gr.

- Apresentação de certificado de vacinação COVID-19  (das duas doses se for o caso), emitido por uma entidade pública em grego, inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou russo; do certificado deverão constar nome e apelido (tal como identificados no passaporte), tipo da vacina, número de doses e datas da sua administração; viagem só pode acontecer passados 14 dias sobre administração da última dose, ou

- Apresentação de teste COVID-19 PCR negativo em grego, inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou russo, efetuado 72 horas antes da chegada à Grécia; ou

- Apresentação de teste rápido de antigénio,  em grego, inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou russo; ou

- Apresentação de certificado emitido por entidade pública confirmando que o viajante adoeceu e recuperou de COVID-19 nos últimos nove meses da data indicada no certificado.

Todos os passageiros vindos do estrangeiro serão sujeitos aleatoriamente a teste COVID-19 à chegada, com base nos procedimentos previstos pelo PLF.

Em caso de controlo sanitário, o viajante terá de ficar autoisolado no local/endereço do seu destino final na Grécia (indicado no PLF), aguardando o resultado da análise clínica. Se o resultado for positivo, o passageiro ficará obrigatoriamente em quarentena de 14 dias sob a supervisão das autoridades helénicas; se for negativo, poderá prosseguir com seu plano de viagem.


Nas viagens internas de e para as ilhas será sempre necessária a apresentação dos seguintes documentos:

- Apresentação de certificado de vacinação COVID-19  (das duas doses se for o caso), emitido por uma entidade pública em grego, inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou russo; do certificado deverão constar nome e apelido (tal como identificados no passaporte), tipo da vacina, número de doses e datas da sua administração; viagem só pode acontecer passados 14 dias sobre administração da última dose, ou

- Apresentação de teste COVID-19 PCR negativo em grego, inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou russo, efetuado 72 horas antes da chegada à Grécia; ou

- Apresentação de teste rápido de antigénio, em grego, inglês, francês, alemão, italiano, espanhol ou russo.

É recomendado nas viagens para e entre ilhas chegue ao porto de partida com, pelo menos, uma hora e trinta minutos de antecedência.

O Governo Grego decidiu igualmente tornar obrigatória, para todos os cidadãos que não se encontram vacinados, a apresentação de um teste rápido de antigénio ou um self-test negativo nos embarques das ilhas para o continente.

Tenha presente que devido à volatilidade da situação as regras de entrada no país podem ser alteradas sem aviso prévio, não sendo de excluir eventuais restrições à circulação na Grécia se a evolução da situação epidemiológica assim o justificar.

 

APP REGISTO VIAJANTE

Recomenda-se aos viajantes que se ausentem de Portugal o registo das suas viagens através da aplicação Registo Viajante”, sendo este voluntário e gratuito, facilitando a ação das autoridades portuguesas perante a ocorrência de eventuais situações de emergência com cidadãos nacionais no estrangeiro.

O registo na aplicação “Registo Viajante” permite receber informações sobre as condições de segurança, ter acesso aos contactos das representações diplomáticas e consulares de Portugal e tem ligação direta ao Gabinete de Emergência Consular.

 PlayStoreAppStore

  • Partilhe